terça-feira, 3 de julho de 2007

O homem que veio contra tudo o que estava estabelecido em sua época


Quem é Jesus, senão o homem que vem contra todos e tudo o que estava estabelecido em sua época dando a sua própria cara a tapa, sem precisar de nenhum segurança ou guarda-costas. Jesus vem para anunciar algo antigo, porém novo aos olhos de todos, o que o bom senso manda, estava totalmente perdido por causa do cumprimento às regras estabelecidas pelos “cumpridores da lei”, Ele aceitava a todos quantos viessem ao seu encontro, sem discriminação e sem preferências aos olhos de Deus, pois qualquer um poderia ser morador do Reino dos Céus.
Porém, o discurso de Cristo nos chama a sair desse cumprimento às leis a uma obediência ao amor de Deus. Essa obediência não significa nos tornarmos robôs de Deus, devemos sim viver uma liberdade em Deus. A obediência a Deus a qual Cristo nos chama é entendermos que devemos ter a nossa consciência atenta às circunstâncias da vida e através da nossa consciência atentarmos para aquilo que Deus tem falado aos nossos corações nos dias de hoje. Tornando-nos responsáveis pelos nossos atos e nos dando liberdade e espontaneidade em cada situação.
Por ser assim, do contra e livre, Jesus não tinha uma cartilha de vida nem para Ele e nem para seus discípulos. Além de aceitar todos os que O procuravam, Ele sabia o problema de todos, mas mesmo assim agia da forma que convinha agir com cada um. Ia de um oposto ao outro, sendo no conteúdo de seus sermões, ou em suas atitudes.
A passagem de Mc 9.38-40 nos faz refletir de como Cristo estava pouco se importando para o que Ele era não estava preocupado com o status que atingiria em todo o mundo, não importava se pessoas estavam fazendo o bem e não estavam do lado Dele, se estavam fazendo o bem era isso que importava, Jesus não era egocêntrico, não estava a fim de abrir uma igreja e encher ela de membros, de construir mega-templos para o conforto de seu “fiéis-empresários”. Jesus Cristo era tão liberal que ao mesmo tempo em que é Filho do Rei, ele é aquele que passa fome, frio e sede (Mt 25,44-45).
Outro aspecto de Jesus é sua originalidade, pois Ele nos leva junto da nossa própria origem, pois Ele é o nosso Criador. Quando nos encontramos com Ele, somos confrontados com a nossa própria pessoa, e então ou tomamos a decisão de converter-se a Ele ou optarmos por viver o estilo da vida vigente. Por fazer parte do ato de toda a criação, Jesus tem o poder de dar respostas a todas as perguntas e concluir qualquer pensamento. Por isso ele não vem fazer algo novo, mas sim revolucionar tudo, ir mais além do que todas as convicções humanas.
Sendo assim, Jesus se caracteriza por ser Deus em forma de homem e homem tendo Deus. Sentindo os dois lados da moeda, Jesus, derruba toda e qualquer forma de modelar o seu discurso. A busca de Deus não é feita somente através da escrita, mas sim da vida diária, não existe uma maneira comum ou específica de falar com Deus, mas a essência da individualidade é a hermenêutica da adoração, não existe um lugar específico onde se encontra Deus, mas nós fomos feitos a morada Dele, a palavra de Deus não foi dita a uma determinada religião, mas todos aqueles que são bons de coração, a entrada no Reino de Deus não é algo que se compra, mas sim que se ganha por se amar ao próximo como a ti mesmo.
Jesus era, é e será o CARA.


Diego Portela
Caminho da Graça - Estação Campo Grande
INDIQUE O BLOG DA ESTAÇÃO CAMPO GRANDE